Escolha uma Página

Redes sociais para pequenas empresas: 6 dicas para fazer um bom marketing

Aprenda como utilizar as redes sociais para pequenas empresas e atraia mais clientes.

Um dos maiores problemas que pequenas empresas enfrentam nas redes sociais é publicar algo e não saber se aquela publicação atingiu seu público alvo. Muitos pequenos empreendedores ainda não conhecem ferramentas que podem ser de grande auxílio, como por exemplo o Twitter Analytics e os Insights, presentes tanto no Instagram quanto no Facebook. Outra questão que pode ser um problema para as pequenas empresas é saber o que publicar e quando publicar e finalmente, como atrair a atenção do cliente. Exatamente por esses pontos, no artigo de hoje vamos mostrar 6 dicas de marketing para se dar bem nas redes sociais para pequenas empresas. Veja abaixo:

1 – Veja qual rede social é a melhor para seu negócio
Existem diversas redes sociais e isso não significa que sua empresa deve estar em todas. O motivo? Se seu negócio é uma hamburgueria, por exemplo, seus clientes não vão procurar por ela no LinkedIn, mas sim no Facebook, alguns talvez procurem também no Instagram. Por essa razão, escolher com êxito as redes sociais para pequenas empresas é tão importante. Faça uma pesquisa com seus clientes já existentes, pergunte a eles quais redes sociais eles mais usam e parta para elas, pois é bem capaz que a rede que todos eles tem em comum é a melhor rede para encontrar novos clientes interessados no seu negócio. Se você está começando seu negócio agora, observe negócios semelhantes ao seu e veja por onde os clientes deles mais se conectam. Observe também a frequência das postagens e os tipos de conteúdos postados em cada rede, pois isso pode ajudar e muito o seu negócio. Após juntar e analisar todos esses fatores, você pode desenvolver uma ótima tática e escolher a melhor rede social para sua empresa.

2 – Não esqueça de falar com seu público online
Ter um bom relacionamento e dar atenção para seus clientes cara a cara é essencial, porém, nas redes sociais para pequenas empresas isso não é diferente. Muitas pessoas mencionam sua empresa, seja para um feedback positivo ou para um feedback negativo. E é muito importante responder aos dois tipos de menções. Caso você não responda um feedback positivo, a empresa passa a imagem de que não se importa com o que os clientes acham. E caso não responda a um feedback negativo, essa imagem de não se importar se agrava ainda mais. Portanto, é importante estar atento a seus clientes e aquilo que eles falam, principalmente nas redes sociais, onde informações correm rápido e uma simples reclamação não respondida pode virar uma avalanche. Observe a caixa de entrada e responda as mensagens se tiver, se não tiver, dê uma olhada nas marcações da sua empresa. Não deixe de interagir com seu público, responda as perguntas, agradeça, dê a mesma atenção dos clientes cara a cara para os clientes online.

3 – Utilize hashtags
Uma ótima forma de integrar seus clientes offline com seus clientes online é com o uso de hashtags. Para os clientes offline, isso pode começar com a hashtag na sacola do seu negócio, por exemplo. A curiosidade de saber para que aquilo serve com certeza fará seu cliente procurar por sua marca na internet. Devido a curiosidade, seu cliente pode encontrar a página da sua empresa no Facebook ou o perfil no Instagram. E após isso, se aquele cliente gosta da sua empresa, com certeza deixará um feedback positivo e passará a seguir ou curtir sua página. Já para os clientes online, a hashtag pode ser para promoções, para a divulgação de um produto ou qualquer coisa desse gênero. Devido a hashtag, o cliente encontrará a sua empresa, consequentemente irá até sua loja, comprará o produto e após isso, pode publicar uma foto daquele produto com a hashtag da sua empresa, divulgando ainda mais sua marca nas redes sociais para pequenas empresas.

4 – Saiba como engajar seu público
Existem empresas que são mais sérias nas redes sociais, mas existem outras que são mais descontraídas e muitas vezes, passam até mesmo a impressão de que aquela empresa é um amigo que se pode contar. E isso é ótimo. Veja a Netflix, por exemplo, que utiliza memes, piadas e sacadas geniais para engajar seu público. Os clientes da Netflix – e até mesmo não clientes – acabam interagindo com a página, a tornando mais relevante para a rede social, consequentemente, a fazendo alcançar ainda mais gente. Portanto, se você ainda não sabe como utilizar as redes sociais para pequenas empresas, não se desespere. Não tenha medo de inovar, faça testes com vídeos, tire fotos de seus produtos, faça um meme com seu produto, qualquer coisa que atraia atenção gera engajamento. E clientes engajados dificilmente trocam sua marca por outra.

5 – Deixe a criação de conteúdo mais simples
Criar conteúdo é algo que demanda tempo, mas se você utiliza as ferramentas corretas, não é preciso tanto tempo assim. Hoje em dia, os celulares oferecem diversos recursos que antigamente não eram possíveis. Quer um exemplo? Você pode tirar uma foto de seu produto, inserir um filtro pelo VSCO e postar em uma das redes sociais para pequenas empresas que você escolheu. Antigamente, essa foto deveria ser tirada por uma câmera profissional, já que a qualidade das câmeras dos celulares não era muito boa e editada por algum software no PC, levando mais tempo. Portanto, se você tem essas ferramentas a mão, não deixe de usá-las para facilitar seu dia a dia. Além disso, também é possível programar as publicações nas redes sociais para pequenas empresas, assim você ganha tempo e pode se focar em outros pontos de seu negócio.

6 – Não esqueça de medir os resultados
Medir os resultados é de extrema importância para saber se a sua empresa está indo na direção certa. No Facebook, existem a reação Grr, que normalmente as pessoas utilizam quando não gostaram daquele post, praticamente como se fosse um dislike. No Instagram, as pessoas normalmente visualizam a publicação e não dão like, algo que pode ser visto através da função Impressões, habilitada para contas comerciais. A porcentagem de todos esses feedbacks pode ser vista nas próprias redes sociais para pequenas empresas, no Facebook e Instagram através dos Insights e no Youtube através da contabilização de dislikes. Os Insights do Facebook e do Instagram são muito poderosos, pois podem ajudar a mostrar para você qual a idade média das pessoas que interagem com sua empresa, qual o sexo, de que região, entre muitos outros. Esses dados são de extrema importância para uma boa campanha de marketing e principalmente, para atingir de forma certeira ainda mais clientes.

Notícias da semana – WiFi livre SP é expandido

Notícias da semana – WiFi livre SP é expandido

WiFi Livre SP é expandido pela prefeitura paulistana

Na última sexta-feira, 23/11, a prefeitura de São Paulo lançou um edital para o credenciamento de empresas de organizações interessadas em ofertar internet gratuita pela capital. Atualmente, o WiFi livre SP está presente em 120 praças e parques da cidade. O intuito da prefeitura é que esse número seja duplicado até o final da gestão, de acordo com o programa de metas 2017-2020.

A expansão do programa propõe que 300 pontos de conexão sejam obrigatórios, contemplando locais como bibliotecas, pontos turísticos, centros culturais e desportivos. Além disso, sugere outras 319 localidades complementares e opcionais, vinculadas as primeiras redes.

“Estamos propondo um modelo de financiamento pelo setor privado que não onera os cofres públicos e assegura internet de qualidade para as regiões de maior vulnerabilidade social. Nossa meta é audaciosa e gostaríamos de atingir mais de 500 pontos gratuitos de Wi-Fi” diz o secretário municipal de Inovação e Tecnologia, Daniel Annenberg.

O edital segue de forma irrestrita o Marco Civil da Internet e da lei recém aprovada de Proteção de Dados Pessoais, que garante o direito à privacidade, à proteção de dados pessoas e à neutralidade da rede. “O próprio Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor) elogiou na consulta pública as garantias de privacidade e proteção dos dados dos cidadãos” diz Daniel Annenberg. O edital ficará disponível pelos próximos seis meses e as empresas credenciadas poderão utilizar o serviço por 5 anos.

Segundo levantamento feito pela Universidade Federal do ABC sobre o perfil dos usuários do WiFi Livre, mostra que o uso de WiFi é de 87,2%, muito superior aos usuários da conexão 3G/4G. Isso acontece porque financeiramente dizendo, o 3G/4G ainda é inacessível para uma grande parcela da população.

Segundo especialistas, a democratização do acesso a internet é fundamental para a inclusão social e também para o crescimento econômico. Conforme levantamento feito pela The Economist Intelligence Unit, o Brasil fica em 10º lugar no ranking de países com maior número de pessoas sem acesso à internet. Apenas 11,5% possuem uma conexão de internet banda larga e cerca de ⅓ da população, em média 71 milhões de brasileiros não possui acesso à internet.

Sebraelab abre unidades em cinco cidades do interior de Minas Gerais – Notícias da Semana

Sebraelab abre unidades em cinco cidades do interior de Minas Gerais – Notícias da Semana

O primeiro Sebraelab foi inaugurado em 2017, no mês de março, na sede do Sebrae Minas, no bairro Nova Granada, em Belo Horizonte. O local já recebeu 9,4 mil visitantes, 240 eventos e já capacitou mais de 3,9 mil empreendedores.

Porém, nesse ano foi a vez das cidades Ipatinga, Uberlândia, Montes Claros, Varginha e Juiz de Fora ganharem unidades do Sebraelab, que devem estar funcionando até o final de novembro. Montado pelo Sebrae, o Sebraelab é um ambiente multifuncional e colaborativo, que estimula a remodelagem de negócios e o desenvolvimento de ideias inovadoras.

Esse espaço de prática e experimentação da gestão empreendedora é focado para novos empreendedores, donos de Micro e Pequenas Empresas, Microempreendedores Individuais e colaboradores e parceiros do Sebrae. No local, testes de viabilidade poderão ser feitos, experimentos de novas modelagens e metodologia de negócios, pesquisas de mercado, capacitações e acesso a ferramentas ágeis.

“O Sebraelab é aberto para pessoas de todas as idades que tenham o espírito empreendedor. A ideia é permitir a experimentação de modelos de negócios e inovações que gerem diferença para quem quer empreender ou quem já tem seu negócio por meio de troca de conhecimento e acesso a ferramentas ágeis e modernas” explica Carla Batista, analista do Sebrae Minas.

A estrutura do Sebraelab também foi criada pensando nas start-ups e em formas de apoiá-las. Dessa forma, o Sebraelab oferece capacitação em diversas áreas e permite que ideias sejam desenvolvidas e compartilhadas entre empresas do mesmo segmentos.

Interessados em participar de jogos empresariais, mentorias, palestras e consultorias oferecidas pelo Sebraelab, devem se inscrever pelo site www.sebraelab.sebrae.com.br . Os participantes também podem propor e realizar eventos relacionados a empreendedorismos e as micro e pequenas empresas.

Veja abaixo as unidades do Sebraelab em funcionamento em MG:

Juiz de Fora
Av. Olegário Maciel, 436 – Santa Helena

Montes Claros
Av. Mestra Fininha, 1448 – Funcionários

Belo Horizonte
Avenida Barão Homem de Melo, 329 – Nova Granada

Varginha
Praça Dr. Naylor Salles Gontijo, 160 – Vila

Ipatinga
Avenida Monteiro Lobato, 63 – Cidade

Uberlândia
Rua Izaú Rangel de Mendonça, 20 – Jardim Finotti

Notícias da semana – Segundo pesquisa feita pelo Sebrae, mais de 50% de donos de pequenos negócios não possuem familiares entre os colaboradores

Notícias da semana – Segundo pesquisa feita pelo Sebrae, mais de 50% de donos de pequenos negócios não possuem familiares entre os colaboradores

 Mais de 50% de donos de pequenos negócios não possuem familiares entre os colaboradores

Entre os dias 31 de agosto de 1 de outubro, uma pesquisa feita pelo Sebrae entrevistou mais de 5,8 mil empresários em todo o país. De acordo com a mesma, apenas 1 em cada 3 empresários possui algum familiar como sócio do negócio.

51% dos entrevistados alegaram não possuir nenhum familiar em sua empresa, nem como sócios e nem como colaboradores. A principal razão, segundo os empreendedores, é a falta de interesse de seus familiares pelo negócio.

Em contrapartida, 27% dos entrevistados disseram ter algum parente como sócio ou colaborador de sua empresa. Esses resultados acontecem mais nas Micro Empresas, com 29%, em segundo as empresas de Pequeno Porte, com 27% e por último o Microempreendedor Individual, com 25%.

Somente 11,2% dos entrevistados que possuem parentes entre seus sócios ou funcionários disseram possuir alguma dificuldade com relação a isso. Dentre os empreendedores que disseram ter problemas com parentes em seus negócios, 38,9% afirmam que seus parentes demonstram desinteresse pelo empreendimento, 15,3% alegaram que seus parentes não possuem o perfil adequado para aquela vaga e 26,2% disseram que seus parentes acham que devem ter tratamento diferenciado.

Dentre as regiões, a Norte é a que possui o maior número de parentes em empresas, com 31%. Em seguida, vem a região Nordeste, com 28%, Sudeste com 26%, Centro-Oeste também com 26% e por último a Sul, com 22%. O estado brasileiro que tem o maior número de parentes em empreendimentos é o Pará, com 43%. Em segundo lugar vem o Amazonas, com 33%. Os nordestinos e nortistas foram os que mais demonstraram descontentamento e dificuldades com relação a ter familiares em suas empresas.